Obra da Escola Aderbal Ramos da Silva está novamente parada



O deputado Bruno Souza (NOVO) solicitou à Secretaria de Estado da Educação informações sobre o pedido de rescisão contratual realizado pela E.S.E. Construções Ltda, responsável pela conclusão da obra da Escola Aderbal Ramos da Silva, localizada no Estreito, em Florianópolis. Com isso, a obra, que foi retomada em novembro de 2021, está novamente parada.


No dia 28 de fevereiro deste ano, a empresa encaminhou ofício à SED solicitando a rescisão porque após laudo técnico foi constatado que os pilares não apresentam a resistência exigida, e estão fora do esquadro, o que coloca em risco a continuação da execução, além de comprometer a solidez e segurança da edificação.


Em 09 de março, a Secretaria de Estado da Educação emitiu resposta, não aceitando a rescisão e comunicando a contratação de empresa especializada para elaboração de perícia técnica, sendo que o laudo foi entregue e está em análise pela equipe técnica.


Diante disso, o deputado Bruno Souza encaminhou Pedido de Informação questionando quais providências estão sendo tomadas para sanar o problema da edificação e do impasse com a empresa contratada para concluir a obra.


Anos em obras

A obra que iniciou em 29 de janeiro de 2018 deveria ter ficado pronta e entregue em 23 de julho de 2019. O dinheiro desperdiçado no projeto até então, mesmo sem a finalização de nenhuma das 14 salas de aula previstas, foi de R$ 1.735.820,00, recurso pago por todos os catarinenses. Para a retomada e finalização dos trabalhos o gasto previsto era de R$ 8.590.816,97.


“Nosso mandato segue acompanhando a situação e cobrando as devidas providências para que a reforma seja concluída e para que, finalmente, a escola seja entregue à comunidade e a todos os catarinenses que pagaram pela obra”, destaca o deputado Bruno Souza.


O deputado chegou a instalar um atrasômetro na unidade, indicando os dias que a obra estava atrasada. Devido ao retorno dos trabalhos, a placa foi retirada. Mas agora, mais uma vez, a comunidade escolar volta a contar os dias de demora para ter a obra da escola, finalmente, entregue.